Caroline Calona

CAROLINE CALONA

Montevideo | Uruguai

Caroline Calona, com 28 anos de idade, de origem brasileira. estabelecida em Montevideo no Uruguai desde 1990, se dedica profissionalmente as Danças Orientais e Dança do Ventre Tribal.

Começou seus estudos em Ballet Classico e Dança Classica espanhola quando tinha 3 anos de idade e mais pra frente passou a estudar Flamenco, aprofundando seus conhecimentos com professores e bailarinos internacionais mantendo-se ativa nesta modalidade desde 2009, paticipando de grandes shows, espetáculos e concursos.

Em 2005 passou a frequentar aulas de Danças Árabes como hobby e com o aumento do seu interesse pelo estilo, passou a estudar em aulas particulares com diversas mestras uruguaias e workshops com profissionais extrangerios; enquanto isso fez o curso curricular na Escola Nacional de Dança, Divisão Folclorica.

Em 2008 conheceu a Dança do Ventre Tribal e a praticou de forma autodidata até 2009, quando viajou para Buenos Aires para ter sua primeira aula de ATS/Tribal Fusion com Emine Di Cosmo. Seguiu estudando regularmente até tornar-se a primeira geração certificada de Uruguai. Desde então, viaja para se aperfeiçoar em intensivos e seminarios com bailarinas reconhecidas como Jill Parker, Mira Betz, Mardi Love, Heather Stants, Kami Liddle, Elizabeth Strong entre outras.

Em 2009 participou do concurso “MEM te lleva, México te espera”, uma proposta de apoio a difusão do Tribal Latinoamericano, conquistando o primeiro lugar.
Desde 2011 se asociou com Mayte Bachmann para cirar e apresentar a primeira mostra de alunas Dança do Ventre Tribal do Uruguai. Compartilha da organização do Festival Uy, uy, uy! onde grandes figuras internacionais são convidadas.
Em 2013 viajou para o Chile onde conseguiu ser parte da primeira geração latinoamericana certificada no formato Suhaila Salimpour Nivel 1.
Hoje, ministra aulas de Dança Tribal e Dança do ventre Tradicional em Montevideo, algumas cidades do interiro e países da região.

“Conquistada pelo Tribal, amo que o ele nos oferece, desde a pureza da técnica, acendendo o fogo e dando e vazão a manifestação de pensamento, afetos e sonhos até a prática feita em estúdio que nos permite semear a amizade, sede de supersar-se todos os dias, educar o corpo a manifestar sensações e nos sentir privilegiadas por crescer, compartilhar e aprender umas com as outras.”