Jill Parker e a Criação do Tribal Fusion

Jill Parker e a Criação do Tribal Fusion
Por Natália Espinosa

1 - jill0

Quando pensamos em Tribal Fusion, qual é a primeira bailarina que nos vem à cabeça? Muitas de nós conhecemos o Tribal Fusion através dos vídeos do Bellydance Superstars e diremos, sem titubear: Rachel Brice (quando muito, Zoe Jakes, Sharon Kihara ou Mardi Love). Embora todas essas mulheres tenham sido grandes divulgadoras do estilo, a grande responsável por remoldar o estilo Tribal foi Jill Parker.

Jill Parker deu o primeiro passo na intenção de transformar o que era conhecido como tribal nos EUA dos anos 90, adicionando a seu estilo uma miscelânea tanto de influências mais antigas, como a linguagem da dança do ventre (que nos Estados Unidos tem o nome de cabaret bellydance) e a estética vaudeville, quanto de quebra de padrões do ATS®, como o abandono do choli e do turbante – ainda parte do dress code na época – e também a criação de performances totalmente coreografadas, que permitiram a Jill uma exploração diferente da musicalidade na dança. O Tribal Fusion ainda não tinha nome, mas já tinha mãe.

2 - jill1

E melhor mãe não poderia haver. Jill foi uma das integrantes originais do FatChanceBellyDance® e criadora do icônico Ultra Gypsy, do qual fizeram parte Rose Harden, Sharon Kihara e Rachel Brice. Em uma entrevista* Jill diz:

Eu venho estudando a dança do ventre em suas tantas encarnações diversas – um pouco de American Tribal Style®, um pouco de estilo mais regional e folclórico, estilos mais específicos de folclore como o da Arábia Saudita e todas essas regiões do mundo, estilo de dança do ventre clássico cabaret, que é o estilo que vem do Egito, e a versão meio que americanizada. Existem muitas versões de dança do ventre incluindo o tribal fusion, que é amplamente o que eu ensino, com uma dose bem saudável de folclore clássico misturado.

3 - jill2

Jill foi responsável por algumas outras inovações no Tribal que se conhecia na época: embora Rachel Brice tenha sido de fato a primeira pessoa a ser reconhecida como solista do estilo, Jill já se apresentava com solos antes. Além disso, o Ultra Gypsy original contava com um homem em sua formação, o que consolidou a atmosfera de aceitação dessa nova fusão que viria a ser chamada de Tribal Fusion anos depois.

Apesar de ter sido responsável por essa revolução no estilo tribal de dança do ventre, Jill Parker não se deitou sobre seus louros e continua estudando e pesquisando até hoje, o que a torna uma dançarina que sempre traz algo novo para o palco e uma professora muito respeitada.

Vinte e sete anos depois (N.T.: a entrevista foi concedida em 2015) eu ainda me considero uma aluna. Eu ainda sinto como se eu estivesse indo cada vez mais fundo nesse poço de informação que está aí, e eu amo ensinar. Eu realmente amo ensinar, com certeza é o meu chamado nisso tudo”.

Jill Parker estará no Congresso Tribal Sul-Americano, possibilitando que muitos de nós 4 - jill3estudemos com ela aqui no Brasil. É uma oportunidade imperdível: além do aprendizado que ela traz com sua bagagem de estudo e experiência em dança do ventre, é um privilégio do nosso tempo poder aprender com quem desenvolveu essa forma de arte, com quem estava lá quando tudo aconteceu. Poder ter aulas com ela em nosso país é, certamente, um presente!

 

 

Vídeos

Referências e leituras adicionais:

http://www.gildedserpent.com/cms/2010/12/14/jamine-june-tribal-fusion-jill-parker/

http://www.gildedserpent.com/cms/2010/11/03/jasmine-june-intro-tribal-fusion-belly-dance/

https://odcsf.wordpress.com/2015/08/26/sharing-the-healing-power-of-dance-a-conversation-with-jill-parker-by-maya-kitayama/

https://www.jillparkerbellydance.org/bio

http://tribalmind.blogspot.com/2011/01/pequenas-biografias-jill-parker.html

Respiração Consciente

POR MARIANA MALLET
Sobre respirar simplesmente, isso mesmo bailarina, respirar!

Estar consciente da sua respiração te traz para o presente, para um estado de totalidade, de vazio e de criação!
Tomar consciência da sua respiração te conecta com teu corpo, com teu ser. Essa prática pode ser uma maravilhosa ferramenta para sua dança, na hora de criar por exemplo.
sol (1)A prática da respiração consciente, te faz habitar o corpo e te conecta com as infinitas possibilidades, tanto de consciência corporal, quanto de criatividade. Te convida a se observar, a ter uma percepção de você mesmo unido com tudo o que queres expressar naquele momento, naquela coreografia, naquela música, enfim.
Tenho praticado e tem mudado meus dias, consequentemente minha dança, mais do que sua estética, a minha relação com minha própria dança, ao observar esse eu, bailarina dessa dança que escolhi, sentindo cada vez mais que ela é uma expressão do meu ser. E assim eliminando qualquer julgamento ou auto críticas severas, que muitas vezes nos enchem de inseguranças e medos para nos levar a uma experiência de plenitude, amor e empoderamento.
Essa técnica chegou até mim por uma pessoa muito querida, e atualmente é uma jóia para meu trabalho, por isso a escolhi para compartilhar nesse evento tão grandioso uma vivência de criação a partir da respiração consciente, que pode te levar a lugares ainda desconhecido por você, aí mesmo, em você! Respire Fundo!

Depoimento de Annamaria Marques

POR ANNAMARIA MARQUES

Desde a época do Festival Campo das Tribos, ir a São Paulo para participar do evento é para mim e minhas alunas, um marco em nosso ano letivo. Um momento para por a prova nosso trabalho em um palco “fora de casa” sempre foi emocionante e assustador. Aquela sensação de “frio na barriga” sempre vindo à tona: de como nosso trabalho seria recebido onde a cena Tribal é mais forte.

No ano do 1° congresso tribal sul-americano, levei minha Cia recém criada, a Tribo Dannan, para debutar no show de mostras e tive também como grata experiência ministrar um workshop neste evento.

12107193_10208863808331446_6587449630575588478_nSempre nos sentimos bem recebidas e pelo ano passado, só posso dizer que superou nossas expectativas: espaço, organização e recepção de primeira.
Tive também a oportunidade de fazer workshops das outras profissionais do Tribal : uma excelente oportunidade para estudar com pessoas de vários pontos da América do Sul em um mesmo local.

O Congresso Tribal Sul-americano é um excelente momento para vivenciar e reafirmar aquilo que acredito ser o cerne do estilo: espírito de união e cooperação, estudo, auto-conhecimento e crescimento para todos!

 

Falta pouco!

POR REBECA PIÑEIRO

É incrível como o tempo passou rápido desde a última edição. Falta muito pouco para o 2º Congresso Tribal!
Você já reservou sua vaga nas aulas e nos shows do evento? Estamos no último lote e na reta final das inscrições. Não deixe de participar deste grande encontro da Dança Tribal da América do Sul!